Tudy Vieira

Burnout: como evitar o esgotamento profissional da sua equipe

Burnout: como evitar o esgotamento profissional da sua equipe

Todo mundo quer funcionários que ajudem a empresa a atingir o índice máximo de produtividade. Mas quando essa cobrança e pressão contínua para bater metas compromete o bem-estar organizacional, você está aceitando o risco de causar prejuízos na carreira e saúde dos seus colaboradores.

Esse exagero pode acarretar em um colapso de exaustão física e emocional que nós chamamos de Síndrome de Burnout. Esse esgotamento profissional é um problema real. Segundo um estudo da International Stress Management Association no Brasil, o número de pessoas economicamente ativas sofrendo com sintomas do burnout passa dos 30 milhões.

Em um cenário amplificado pelas lentes da crise econômica e do Home Office, aprender a colocar o ser humano como ponto central do sucesso de projetos, ou seja, ter uma gestão estratégica de pessoas, faz toda a diferença na hora de equilibrar produtividade com bem-estar.

Para entender melhor sobre o esgotamento profissional e por que ele está se tornando cada vez mais presente no ambiente corporativo, continue lendo!

O que é a síndrome de burnout

A Síndrome de Burnout, conhecida também por Síndrome do Esgotamento Profissional, atinge cerca de 33 milhões de brasileiros. Trata-se de um distúrbio psíquico de caráter depressivo, resultante do cansaço mental, emocional e físico no ambiente profissional.

Quando o esgotamento é completo, o funcionamento, seja ele profissional ou pessoal, chega a níveis de total incapacidade. Você se torna lento, com dificuldade de responder às tarefas simples do cotidiano e sair da cama fica cada vez mais difícil.

O burnout pode ser causado pelo excesso de tarefas e de horas extras, relações tensas, alto nível de exigência de produtividade e longas jornadas ininterruptas. Todos esses fatores comprometem o tempo de dedicação à vida pessoal, ao lazer ou à família, hábitos fundamentais para uma boa qualidade de vida.

Como identificar os sintomas do burnout

Os sintomas do burnout são caracterizados por três pilares: a exaustão física e emocional, o cinismo e desapego, e sentimentos de ineficácia e falta de realização.

Quando falamos sobre exaustão, podemos perceber fadiga crônica, insônia, esquecimento, dificuldade de concentração, sistema imunológico enfraquecido, perda de apetite, crises de ansiedade, depressão, raiva e sintomas físicos (palpitações cardíacas, dor de cabeça, dor gastrointestinal, etc).

O cinismo e desapego se manifestam a partir da perda de prazer, do pessimismo, do isolamento e da desconexão com o ambiente.

Por último, a falta de eficácia e realização tornam quase impossível ser produtivo, e o desempenho cai significativamente.

Estes sintomas se diferenciam do estresse em questão de grau; ou seja, quanto mais cedo perceber e tratar, mais fácil é evitar o burnout.

A importância de uma boa gestão estratégica de pessoas nas organizações

Nesse momento, gestores e líderes devem estar atentos ao fato de que ter um empreendimento bem-sucedido requer dedicação, flexibilidade e muita atenção para liderar não só os negócios, mas também a saúde e o bem-estar de seus colaboradores.

Cobrar e pressionar por uma alta produtividade pode causar o efeito inverso. Quando colaboradores sofrem de burnout, há um aumento de erros de execução e baixa produtividade. Então, é necessário ter colaboradores saudáveis para que a organização não adoeça.

A comunicação, neste quesito, passa a ser fundamental para motivar e despertar a “sensação de pertencimento” nos colaboradores. Visto que, no ponto de vista psicológico, essa sensação de desconexão com o ambiente e os colegas, é um dos principais gatilhos para o desenvolvimento da Síndrome de Burnout. O resultado é um aumento de 2,6 vezes na taxa de rotatividade da empresa.

Com o atual crescimento da adesão ao Home Office, a comunicação interna deve ser ainda mais estruturada para garantir o alinhamento de interesses entre colaboradores e organização. Isso porque o ser humano é naturalmente um ser coletivo e o distanciamento físico se torna um fator crítico.

Não é exagero afirmar que síndromes, como a Síndrome de Burnout, são resultado de uma má gestão estratégica de pessoas.

Engaje sem comprometer o bem-estar

Sim é possível manter sua equipe engajada e produtiva sem comprometer o bem-estar organizacional. Você, empresário, pode adotar estratégias simples de estímulos positivos, desenvolvendo empatia, colaboração e comunicação.

Essas habilidades não só evitam ambientes propensos ao burnout, mas também lhe tornam um verdadeiro líder. Então, fique atento às dicas:

Comunicação é a chave de tudo

Manter um canal aberto para o diálogo, sem que os colaboradores se sintam inseguros e envergonhados, é fundamental para conseguir entender as expectativas com relação ao crescimento profissional de cada um.

Além disso, é um espaço para que você consiga explicar o que espera do funcionário, criando uma noção de valorização e pertencimento.

Permita que seus colaboradores digam “não”

Parte também de uma comunicação interna forte e amigável. Permitir que seus colaboradores digam “não” quando eles não estão se sentindo confortáveis evita um ambiente autoritário e tarefas com baixa qualidade.

Para isso, deve-se entender a necessidade de uma cultura de priorização de demandas, que irá manter o funcionário motivado e engajado. Respeitar o momento de relaxamento dos seus colaboradores também faz toda a diferença; você deve cobrar apenas durante o horário de trabalho.

Valorize e reconheça seus profissionais

Um gestor que entrega feedbacks apenas na hora de criticar e pedir correções, abala a autoestima até mesmo do funcionário mais seguro de si.

Reconheça os atributos individuais de cada um dos seus colaboradores e faça questão de deixar claro que você os aprecia.

A criação de planos de carreira e orientação profissional mostra que você enxerga uma perspectiva para eles dentro da companhia, e que está atento aos seus objetivos. Logo, eles tendem a se engajar com os objetivos da empresa.

Construa um espaço para socialização

O relacionamento entre pessoas deve ser valorizado. Crie um ambiente onde as pessoas se sintam à vontade para interagir umas com as outras; a socialização não precisa se restringir a termos do trabalho.

Você pode encontrar maneiras criativas de celebrar sucessos individuais e coletivos dentro da empresa, construindo uma cultura corporativa forte.

Sofrer com a Síndrome de Burnout nada tem a ver com a capacidade profissional de alguém. Até mesmo o colaborador mais engajado, motivado e qualificado pode passar por esgotamento profissional. No entanto, saber evitar e lidar com esta situação é um bom indicativo de liderança de um gestor.

Está na hora de adotar medidas para se tornar este líder, vamos lá?

Você gosta deste tipo de conteúdo? Então siga minhas redes sociais e se inscreva para receber a newsletter e não perder nenhum post!

Cadastre-se para receber novidades

Tudy Vieira

falecom@tudyvieira.com.br

63 3225-7535 / 63 98442-2766